Síndicos e gestores condominiais sabem muito bem como é enfrentar o fantasma da inadimplência nos condomínios. Esse é um problema muito sério que penaliza aqueles que pagam suas cotas em dia, gerando uma insatisfação generalizada entre os moradores que cumprem suas obrigações.

Embora os maus pagadores representem cerca de 5% do total dos condôminos, esse é um problema cuja solução depende de muita criatividade para ser minimizado – apesar de existirem muitos meios legais para isso.

Por exemplo, uma das medidas legais mais conhecidas no mercado é a aplicação de multa de 2% e juros de até 1% ao mês, ou conforme a convenção determinar. É o que prega o artigo 1.348 do Novo Código Civil: “Compete ao síndico: VII – cobrar dos condôminos as suas contribuições, bem como impor e cobrar as multas devidas”. Há ainda a possibilidade do protesto, que tem como objetivo recuperar os valores não pagos pelos condôminos.

No entanto, existem formas criativas que podem ser bastante eficazes para diminuir o número de atrasos e de calotes. Quer ver as sugestões?

1 – Ofereça comodidade para a realização do pagamento

 Quanto mais facilidades o condômino tiver para realizar o pagamento, menos desculpas ele terá para deixar de pagar sua cota. Por isso, uma boa opção é o Débito Direto Autorizado (DDA), que consiste em um tipo de pagamento automático. Para realizá-lo, o morador deve se cadastrar no banco de recebimento e a administradora se encarrega de enviar os dados para a instituição financeira.

Outra medida que pode parecer óbvia, mas que funciona muito bem é o serviço de emissão de segunda via de boletos pelo site da administradora. Muitos condôminos perdem o documento e encontram dificuldades para recebê-lo com os valores atualizados. Quando o site da administradora oferece esse tipo de facilidade, há mais chances de o condômino pagar seu boleto em dia. Vale lembrar ainda que em um mundo altamente conectado, as pessoas evitam gastar créditos de ligações telefônicas para resolver problemas como esse. Daí a importância de um site amigável e sem burocracia para esse tipo de questão.

 

2 – Emissão de boletos com considerável antecedência

O morador precisa de prazo para se organizar e pagar sua cota. Quanto antes ele recebe o boleto, mais rápido ele poderá pagá-lo ou programar o pagamento pela internet. O recomendado é que o título seja enviado dez dias antes do vencimento.

 

3 – Plantão para pagamento

Se o índice de inadimplentes está superior ao esperado, que é de 5%, o síndico pode solicitar à administradora um plantão com um funcionário para que os moradores possam negociar e quitar seus débitos. Mas vale lembrar que caso seja oferecido algum tipo de benefício, como parcelamento da dívida, o mesmo deve ter sido aprovado em assembleia.

O plantão de pagamento é uma boa ferramenta para ser utilizada no final do ano, quando os moradores recebem seu décimo terceiro salário e pode se organizar para pagar os valores em atraso.

4 – Agilidade na cobrança

Logo após o vencimento da taxa, a administradora deve enviar uma carta amigável, já com o boleto para pagamento. Essa é uma forma de fazer com que aqueles que se esqueceram do pagamento consigam efetuá-lo o mais rápido possível. Quando o segundo boleto vencer, a empresa pode enviar outra carta, dessa vez explicitando o referido débito em aberto.

Outra medida interessante é a cobrança telefônica. Existem hoje administradoras que oferecem esse serviço, com cobrança à parte. O síndico pode ainda optar por empresas especializadas em cobranças por telefone.

O ideal é não deixar passar muito tempo para cobrar o condômino, pois os juros e as correções podem desmotiva-lo e leva-lo a atrasar os próximos boletos.

 

– Síndico com habilidade de diálogo

Em qualquer situação onde haja negociação, a habilidade de dialogar é fundamental. No caso do condomínio, espera-se que o síndico tenha jogo de cintura e saiba conduzir a conversa para acordos amigáveis.  Por isso, se o devedor inadimplente dá abertura, vale a pena dialogar de uma maneira informal.

 

– Campanha para conscientização dos moradores

Os condôminos precisam compreender como funciona a parte financeira do condomínio. Sendo assim, é interessante investir em campanhas periódicas para salientar o que é a taxa condominial, do que é composta e como é utilizada.

Além disso, é fundamental mostrar o impacto da inadimplência nas contas do condomínio. Uma boa ideia é descrever os projetos que não sairão do papel por causa de pagamentos pendentes, além de apontar que os vizinhos que pagam arcam com os prejuízos causados pelos atrasos dos outros.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here